Rinha (briga) de galos

Minha opinião


Por volta de um ano o galo já está preparado para a briga e passará por sessenta e nove dias de trato. No trato o animal é pelinchado - o que significa ter cortadas as penas de seu pescoço, coxas e debaixo das asas - tem suas barbelas e pálpebras operadas. Iniciou, pois uma vida de sofrimento, com o treinamento básico. O treinador segurando o animal com uma mão no papo e outra no rabo, ou então, segurando-o pelas asas, joga-o para cima e deixa-o cair no chão para fortalecer suas pernas. Outro procedimento consiste em puxá-lo pelo rabo, arrastando-o em forma de oito, entre suas pernas separadas. Depois, o galo é suspenso pelo rabo, para fortalecer suas unhas na areia. Outro exercício consiste em empurrar o animal pelo pescoço, fazendo-o girar em círculo, como um pião. Em seguida, o animal é escovado para desenvolver a musculatura e avivar a cor das penas, é banhado em água fria e colocado ao sol até abrir o bico, de tanto cansaço. Isto é para aumentar a resistência.

Chega, então, a hora do treinamento de cotejo, quando o galo é posto para brigar com outro, só para treinamento, usando buchas nas esporar e biqueiras de borracha no bico. A biqueira que prende os dois bicos, é para treinamento do tiro de pé e a biqueira que prende o bico superior é para que o galo possa prender o seu adversário, sem machucá-lo. A biqueira é retirada para se verificar o rendimento, mas nesta fase os animais são separados antes de se machucarem.

O galo passa a vida aprisionado em gaiola pequena, é privado de sua vida sexual normal, só circulando em espaço maior, nas épocas de treinamento, quando é posto na passadeira, que mede 2m de comprimento de 1m de largura.

Chega a hora do galo ser levado às rinhas. Depois da parelha (escolha dos pares), vem o topo, que é a aposta entre os dois proprietários. São, então, abertas as apostas e as lambujas. Os galos entram no rodo calçados com esporar postiças de metal e bico de prata (o bico de prata serve para machucar mais ou para substituir o bico já perdido em luta). A luta dura 1h15m, com quatro refrescos de 5m. Se o galo é "tucado" (recebe golpe mortal)ou é "meio-tucado" (está nocaute) a platéia histérica aposta lambujas, que são apostas com vantagens para o adversário.

Se o galo ficar caído por 1m o juiz autoriza o proprietário a "figurar" o galo (tentar colocá-lo de pé). Se ele conseguir ficar de pé por 1m a briga continua. Se deitar é perdedor. O galo pode ficar de "espavorido", quando leva uma pancada muito dolorosa e abandona a briga.

Se a briga durar 1h15m sem um deles cair há empate e o topo perde a validade. Faz-se apostas até sobre o refresco.

Galo carreirinha é aquele que percorre o rodo correndo até cansar o outro que está correndo atrás dele para depois abatê-lo. Galo canga é aquele que cruza o pescoço dele com o do outro, forçando para baixo até que o adversário perca a postura de briga. O galo velhaco é aquele que, no meio da briga, entra por debaixo das penas do adversário, quando está sendo atacado e depois o pega de emboscada.

Tudo isto comprova que as brigas de galos são cruéis e só podem ser apreciadas por indivíduos de personalidade pervertida e sádicos.

Minha opinião

Aqui, mais uma vez, o ser "humano" treina um animal para ser completamente agressivo e anti-social com membros de sua própria espécie. Galos de briga, quando são apreendidos, precisam ser sacrificados, pois não podem ser usados nem como reprodutores. Isso é vida para um animal? Ser rododiado, jogado ao solo, deixado no sol? Tudo isso pra quê? Para sofrer mais depois, durante as rinhas.

O homem, não safisteito com lutas de boxe, jiu-jitsu etc, cria animais para brigar, sendo que eles não gostam de fazer isso: são obrigados!!!!