Posse Responsável


Por Claudia Porto

Adotar um animal é assumir um compromisso para toda a vida. Você está preparado ?

Antes de adotar um animal é necessário que se reflita sobre alguns pontos fundamentais.

õ      Haverá meios de cuidar dele como precisa?

õ      Haverá recursos financeiros para alimentá-lo e dar-lhe tratamento médico?

õ      Haverá tempo para se dedicar, brincar, passear, enfim, tratá-lo com amor e atenção?

Se a resposta for "não", não adote animal nenhum. Porque eles precisam de tantos cuidados quanto uma criança necessitaria.

Mas se a resposta for sim... Ainda assim, saiba aqui os compromissos que você terá que assumir.

 

ALIMENTE DE FORMA CORRETA

É um dos cuidados mais básicos. Significa não só dar comida, mas sim manter o animal bem alimentado, dando-lhe uma ração específica para sua espécie, em quantidades adequadas, e fornecendo-lhe sempre água fresca. Gatos não devem ser alimentados com ração de cães e vice-versa.

Cães e gatos não merecem ser alimentados com restos de comida humana nem deixados com sede.

Não deixe água estagnada no pote. Além de ser prejudicial à saúde do animal, essa água pode acumular larvas de mosquitos, prejudicando também sua saúde.

 

DÊ-LHE UM LOCAL ADEQUADO PARA VIVER

Nunca se deve deixar um animal ao relento, sem ter onde se abrigar do calor, do frio ou da chuva. O melhor lugar para um amigo é perto de nós. Se isso não for possível, por alguma razão, dê-lhe ao menos uma casa para se proteger. Não esqueça de que você não gostaria de se deitar no chão duro.

Lembre-se ainda de que um animal de grande porte certamente não viverá bem em um local apertado. O local deve ser também bem arejado.O ambiente precisará estar adaptado à sua presença. No caso de apartamentos, telas são indispensáveis nas janelas, mesmo que se trate de cães. Se você mora em casas, mantenha o animal em local onde não possa fugir para a rua. Ruas são extremamente perigosas para animais de qualquer espécie.

 

VACINE-O ANUALMENTE

Todo animal deve ser vacinado quando filhotes, e o reforço da vacinação deve ser dado anualmente.

Os cães devem ser vacinados a partir dos 45 dias, contra parvovirose, cinomose, coronavirose, raiva, hepatite infecciosa, leptospirose, parainfluenza, adenovirose e traqueobronquite.

Os gatos, a partir dos dois meses, contra raiva, panleucopenia, rinotraqueíte, clamidiose e calicivirose. Há também vacina contra a leucemia ( FeLV ), mas ainda existem controvérsias sobre ela.

 

CASTRE SEU ANIMAL - ESSE É UM ATO DE AMOR

Castrar seus animais é a melhor opção. Isso ajuda a evitar que haja mais animais abandonados. A cada ano, centenas de filhotes indesejados são jogados nas ruas. A maioria morre antes de completar um ano. Mesmo que você esteja horrorizado e convicto de que não abandonará uma ninhada, pense mesmo assim. Não há casas disponíveis para todos os animais. Não é fácil conseguir um lar para todos os filhotes, e você nunca terá garantias de que serão bem tratados.

Além disso, a castração trará mais benefícios para seu animal e também para você. Ele se tornará mais carinhoso e tranqüilo, e as chances de fuga serão muito menores.

Os animais podem ser castrados a partir dos quatro meses.

Quanto mais cedo for feita a esterilização, menores as chances de tumores nas fêmeas e de inflamação da próstata e testículos nos machos.

A castração é um ato de amor à vida.

 

MANTENHA O ANIMAL DENTRO DE CASA

Rua não é lugar para o animal estar. Mesmo que você more em um bairro tranqüilo ou em uma cidade pequena, isso não exclui o risco de maus tratos ou de um atropelamento. Mantenha seus animais dentro de casa.

Essa é a única maneira de evitar problemas para eles, para você, e para as outras pessoas também.

 

 

DÊ-LHE UM LAR, NÃO UMA PRISÃO

Jamais deixe seu cãozinho acorrentado ou o gato em uma gaiola. Ou você gostaria que fizessem isso com você? Manter animais presos desta forma, sem nenhuma possibilidade de movimentação, é um ato de crueldade.

Lembre-se sempre que sua casa é um lar para o animal, não uma prisão, onde ele será obrigado a viver na solitária.

 

NÃO O CASTIGUE NEM MALTRATE

Punição física não adianta nada, e não corrige comportamentos indesejados. Bater no animal, além de ser um ato de extrema covardia, fará com que ele se torne medroso e inseguro, o que não é bom nem para ele nem para você. Trate seus animais como você gostaria de ser tratado. Este é um princípio básico da humanidade.

 

PROVIDENCIE TRATAMENTO VETERINÁRIO SEMPRE QUE FOR PRECISO

Não confie em conselhos e palpites de curiosos. O profissional mais indicado para cuidar de seu animal é o médico veterinário. Procure um veterinário sempre que necessário, para orientação, vacinação, ou se o animal apresentar qualquer sintoma de doença.

Esteja sempre atento à sua saúde, verifique sempre seu estado geral. Não meça esforços para lhe dar o melhor tratamento possível. Mesmo que você não possua uma excelente situação financeira, há locais onde você poderá tratá-lo a preços mais baixos, como os hospitais das faculdades de veterinária.

 

SIGA AS REGRAS DA CIVILIDADE E DA HIGIENE

Ao sair na rua com seu cãozinho, recolha toda a sujeira que ele fizer. Não polua as vias públicas. Lembre-se que você é responsável por qualquer dano que o animal causar, e por qualquer coisa que ele fizer.

Cães devem ser levados na coleira sempre. Essa é uma regra fundamental para a segurança das outra pessoas e do próprio cão. Dentro de casa, mantenha sempre limpo o local onde vive o animal.

Ninguém gosta de sujeira, muito menos seu melhor amigo.

 

SEJA COMPANHEIRO SEMPRE

Aprenda a respeitar o jeito de ser de cada animal. É isso que o faz único. Trate-o sempre com carinho e amor.

Procure compreender que tudo o que ele faz é para agradá-lo e fazer-se digno do seu amor. Aceite esse amor incondicional. Ninguém será capaz de amá-lo de forma tão desinteressada e isenta de julgamentos como seu animal.

 

SUPERE AS DIFICULDADES - VOCÊ É RESPONSÁVEL

Nem sempre as coisas são como desejamos... Nem sempre nossos animais se comportam da forma esperada. Mas lembre-se de que você é responsável por ele, seja como for, aconteça o que acontecer. E que ninguém abandona um filho porque teve mau comportamento, se envolveu com drogas, meteu-se em encrencas...

 

NA VELHICE, NÃO O DESAMPARE

Não é justo que você se desfaça do animal justamente na fase em que ele mais precisará de você. Nossa sociedade é extremamente injusta com os idosos. Não seja você mais um a engrossar as fileiras da indiferença e da falta de gratidão.

Seu animal o amou e compreendeu a vida inteira... Cuide dele até o fim.

 

JAMAIS O ABANDONE

Finalmente, jamais abandone. Animais abandonados são presa fácil das piores crueldades. Não caia na conversa de que sempre haverá "alguma alma boa" que cuide dele. A realidade não é essa.

Antes de ter um animal, considere que seu tempo médio de vida é de 12 anos.

Pergunte à família se todos estão de acordo, se há recursos necessários e quem ficará cuidando dele nas férias ou nos feriados prolongados.

Adote animais de abrigos públicos e privados (vacinados e castrados) em vez de comprar por impulso. Informe-se sobre as características e necessidades da espécie escolhida (tamanho, peculiaridades, espaço físico necessário).

Mantenha o seu animal sempre dentro de casa, nunca solto na rua. Para os cães, passeios são fundamentais, mas somente com coleira/guia e conduzido por quem possa conter o animal.

Cuide da saúde física do animal; dê-lhe abrigo, alimento, vacinas e leve-o ao veterinário. Dê banho, escove e exercite-o regularmente.

Zele pela saúde psicológica do animal; dê atenção, carinho e um ambiente adequado.

Dê educação, se necessário por meio de adestramento, mas respeite as características do animal.

Recolha e jogue os dejetos em local apropriado.

Identifique o animal com plaqueta e registre-o no Centro de Controle de Zoonoses ou similar, informando-se sobre a legislação do local.

Evite as crias indesejadas de cães e gatos. Castre os machos e fêmeas. A castração é a única medida definitiva no controle da procriação e não tem contra indicações.

“TODOS OS ANIMAIS NASCEM IGUAIS PERANTE A VIDA E TÊM OS MESMOS DIREITOS À EXISTÊNCIA” Artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos dos Animais