Páscoa Sem Crueldade

Referências


Nesta época os cristãos se lembram da crucificação de Cristo, seu sacrifício final, e celebram Sua ressurreição. Vamos então nos espelhar na compaixão de Cristo e sermos misericordiosos também com os animais. Não há melhor lugar para começar do que a nossa mesa. Assim como cortamos o pão, vamos cortar também a alimentação provinda dos piores lugares do mundo: os matadouros e fazendas onde os animais sofrem abusos e maus-tratos.

Antes dos animais se tornarem o prato principal no nosso almoço de Domingo, eles não fazem nada que Deus lhes designou. Nunca respiram ar fresco, não aproveitam sua infância, não brincam com outros animais e não fazem nada de prazeroso e ninguém tem piedade deles. Por exemplo, os porcos passam sua vida inteira em celas de concreto imundas, a crueldade é excessiva. Várias fazendas, especialmente nos EUA, foram acusadas de abusos e maus-tratos contra seus animais. Isso porque os fazendeiros acham mais fácil tratá-los de forma cruel e negligente do que com carinho e respeito.

A Páscoa também é uma celebração para se comer frango, que sofrem constantemente com o confinamento em gaiolas sujas e frias. Os machos são mortos - geralmente sufocados - já que não produzem ovos, e as fêmeas têm os bicos cortados de um modo muito doloroso, para evitar que elas se firam entre si. As vacas estão sempre grávidas e são separadas de seus bezerros logo após o nascimento deles, para que as mães possam produzir leite para os humanos consumirem.

No final de tudo isso (que foi apenas um resumo do que acontece com os animais “comestíveis” de todo o mundo), esses animais são colocados em caminhões (superlotados, diga-se de passagem), com pouca proteção contra acidentes, para sofrer o último horror de suas vidas, o matadouro, onde eles são pendurados e têm seus pescoços cortados, para sangrar e morrer lenta e dolorosamente.

Portanto, vamos deixar os animais viverem e VIVA A PÁSCOA SEM CRUELDADE!

Referências

PETA