Circos: Crueldade para o Lucro

Referências


Circos e outras atrações que usam animais nos trazem "entretenimento", como tigres pulando arcos de fogo, elefantes ficando em pé, muitas vezes uns sobre os outros, focas tocando instrumentos. Entretanto, esses mesmos circos escondem o fato de que o que os animais agem apenas por medo. Em contraste com o brilho geralmente associado aos circos, a vida desses animais forçados a trabalhar é um pouco mais que uma existência triste e completamente patética.

 

Embora os expositores tenham licença, o departamento geralmente reluta em forçá-los a respeitar as leis no que diz respeito ao Bem Estar Animal. Mesmo quando determinado circo é denunciado, a punição é trivial e quase não há publicidade.

Treinamento

Como fazer os animais a agirem de forma não natural, como se balançar ou andar de bicicleta, são feitos extremamente difíceis, punição física e reforço negativo são a norma no treinamento. Para "quebrar o espírito" de elefantes recém-capturados, eles são amarrados e sujeitos a espancamentos e outras torturas diariamente, geralmente por um mês, até que eles saibam que não adianta nada revidar.

Infelizmente, esta não é a única vez que o abuso físico é usado para "treinar" os animais. Aliás, punição e desespero se tornam fatores constantes nas suas vidas. De acordo com um treinador de animais: "Depois de 25 anos observando e documentando circos, descobri que não há nenhum treinador gentil". Até mesmo os mais famosos treinadores de animais de circo foi filmado maltratando os animais. Os treinadores rotineiramente usam instrumentos pontudos, focinheiras, chicotes e instrumentos que dão choques para "encorajar" os animais para se portar de maneira não natural - e muitas vezes desconfortável - nos shows. Ursos têm seus narizes quebrados e suas patas queimadas para "aprenderem" a andar sobre suas patas traseiras. Elefantes são controlados pelos instrumentos pontudos em áreas sensíveis de seu corpo, como ao redor dos olhos e atrás dos joelhos e das orelhas.

Viagens e Vida

Animais de circo viajam cerca de 50 vezes por ano. Tigres, cavalos, macacos, elefantes e outros animais nos circos são confinados em jaulas sem controle de temperatura (mesmo em temperaturas muito quentes ou muito frias). Essas jaulas são tão pequenas e desconfortáveis que, muitas vezes, os animais não conseguem nem mesmo se virar. A única hora que eles são desacorrentados e tirados da jaula é na hora de sua apresentação.

 

Mas, entre cada apresentação, os animais são, novamente, acorrentados e levados para suas jaulas. Esse confinamento causam grandes danos físicos e psicológicos aos animais. Um estudo descobriu que elefantes que vivem confinados passam aproximadamente 22% do seu tempo em ações anormais, como balançar a cabeça; ursos confinados passam 30% do seu tempo andando de um lado para outro. Isso é devido ao stress das viagens constantes, confinamento e do sempre presente medo do treinador.

Depois da Apresentação

Umas vez que esses animais já não tem mais "serventia" para os circos, eles são abandonados (geralmente em jaulas), ou são vendidos para outros circos, para zoológicos de beira de estrada, usados para a prática da caça e, algumas vezes, usados em pesquisas laboratoriais (vivissecção). Ainda confinados, a maioria desses animais vivem nas mesmas condições miseráveis de quando ainda "trabalhava" no circo.

Revidando

Assim como o abuso dos animais de circo aumenta, também aumentam os casos de animais que decidem revidar. Em 1994, Tyke, um elefante africano, matou seu treinador e feriu 13 outras pessoas antes que um policial o matasse com tiros. Em Janeiro de 1998, Arnold, um tigre atacou seu treinador durante uma sessão de fotos para propaganda na Flórida. Enquanto o público assistia, Arnold jogou seu treinador no chão e o mordeu na cabeça. Arnold e outros 11 tigres foram forçados a entrar nas jaulas por trabalhadores que usavam extintores e chicotes. Depois que Arnold voltou para sua jaula (mesmo não parecendo mais uma ameaça para ninguém), seu treinador voltou com um revólver calibre 12 e atirou cinco vezes, matando-o. Não houve punição para o treinador nem para o circo.

Incidentes de animais atacando seus treinadores (principalmente elefantes) não são incomuns. Um policial que matou um elefante disse "Acredito que esses elefantes estão tentando nos dizer que zoológicos e circos não são o que Deus criou para eles... mas nós não os ouvimos".

A História de Kenny:
Na natureza, elefantes cuidam dos seus filhotes até seu quarto ou sexto ano de vida. Quando Kenny, um elefante asiático bebê foi separado de sua mãe aos dois anos, sua vida mudou drasticamente. Vendida para um circo (o mesmo do caso do tigre), ele foi ensinado a fazer certos truques que seriam parte de sua "rotina". Muitos especularam que os métodos de treinamento envolviam espancamentos e outras formas de reforço negativo.
Dois meses depois, Kenny ficou doente. Entre suas apresentações, ele era acorrentado junto com outros dois bebês elefantes, Juliet e Bonnie. Ao invés de darem a Kenny um descanso do ciclo de apresentações devido à sua doença, ele foi forçado a se apresentar em dois shows na Flórida. Algumas horas depois, ele morreu. Em 16 de Abril de 1998 o circo foi acusado de não cumprir as leis de Bem Estar Animal. Esta é apenas uma das centenas das acusações que este circo tem recebido por seu tratamento desumano aos animais.

O Que Você Pode Fazer

Os circos pararão de usar animais quando pararmos de lhes dar dinheiro. Boicote todos os circos e atos que usam animais. No lugar, apóie circos que não usam animais, como Cirque du Soleil, Circo Oz, o Circo d'Hiver.

Escreva cartas para os jornais de sua cidade encorajando as pessoas a boicotar eventos que usam animais. Se um circo ou qualquer outro evento que use animais chegar em sua cidade, organize uma demonstração e distribua essa matéria para seus vizinhos, amigos e parentes, encorajando-os a não ir em circos e eventos com animais.

Circos Sem Animais

Circos Com Animais

NÃO VÁ A CIRCOS COM ANIMAIS

Referências

PETA
PEA
http://www.cok.net/lit/circus.php