Sabiá

Azul do Leste  Cantador  Peito Branco  Peito Vermelho  Galápagos  Laranjeira


Sabiá Azul do Leste

Descrição

É um vistoso e belo insetívoro do leste dos EUA, com cerca de 18cm de comprimento total. Os machos são de um azul vivo nas partes superiores, com partes inferiores de cor vermelha ou laranja (segundo a região) exceto pela parte baixa do ventre, branca. As fêmeas apresentam uma coloração mais cinza e apagada. O canto pode ser descrito como um musical “chur – lii” repetido.

Biologia

Esta espécie só é encontrada em bosques mais ou menos abertos, assim como em terras de cultivo. Constrói o ninho em cavidades de troncos velhos ou postes de luz, e se adapta bem em ninhos artificiais. Nas últimas décadas, o Sabiá Azul Do Leste sofreu uma grave queda em suas populações. Ao que parece, a principal causa foi a introdução do Estorninho Pinto e do Pardal Comum na América do Norte. Estas duas espécies, originárias do paleártico, têm sabido adaptar-se muito bem aos ambientes humanos, e suas populações não param de crescer, afetando outras espécies, como é o caso. O problema neste caso, é a competição por cavidades adequadas para nidificar. Uma campanha recente de instalações de caixa – ninho parece ter feito um sucesso notável e as populações de Sabiás Azuis começam a se recuperar.

Sabiá Cantador

Descrição

É um turdídeo com cerca de 23cm de comprimento total, de coloração pardacenta nas partes superiores e branco manchado de preto nas partes inferiores. É uma espécie típica do paleártico ocidental, habitando em bosques úmidos de todos os tipos, embora também tenha sabido adaptar-se ao homem e possa ser visto em parques e jardins.

Biologia

Trata-se de uma espécie territorial que indica as suas propriedades mediante um canto sonoro e variado, muito musical.

Sua dieta é variada e inclui minhocas, insetos, caracóis e diversos frutos e bagas. No caso dos caracóis, coloca-os sobre uma pedra e rompe sua concha com o bico; a presença desta espécie pode ser facilmente detectada pelos restos resultantes de tal operação. O papel que exerce o Sabiá Cantador sobre as populações de caracóis pode ser importante, crendo-se que desenvolve um mecanismo que reduza sua diminuição, mediante seleção natural. Este mecanismo consiste em desenvolver diferentes colorações (rosadas, brancas, amarelas etc.) para despistar a ave. Ao que parece, o Sabiá Cantador forma uma imagem do que procura para assim encontrar os caracóis, passando despercebidos, portanto, aqueles exemplares cuja coloração não coincide com o que a ave procura.

Sabiá Cinza

Descrição

É um pequeno passeriforme de coloração cinza, com o píleo manchado e o peito esbranquiçado, ligeiramente listrado. Apresenta umas plumas filiformes na base do bico parecendo bigodes, as vibrissas, que servem para detectar melhor os insetos dos quais se alimenta. O bico é fino, como corresponde a um insetívoro. Os dois sexos são idênticos, sem nenhum tipo de dimorfismo sexual.

Biologia

Visitante estival, durante a época de reprodução se distribui por quase toda a Europa, ocupando jardins, parques, margens de bosques e bosques abertos. Passa o inverno na África Tropical. Pode ser observado quase sempre pousado, numa árvore, arbusto, muro ou estaca, sempre em altura baixa. Quando descobre algum inseto, lança-se sobre ele num vôo ágil e rápido, voltando logo com sua presa ao lugar de partida. Enquanto está pousado, costuma agitar a cauda e asas de forma muito característica, mantendo sempre a postura erguida.

Nidifica em qualquer fenda ou cavidade, tanto natural como artificial: troncos de árvores, edifícios, rochas, atrás de trepadeiras, entre algumas raízes, etc. O ninho é em forma de copa e é construído com galhos, ervas e outras fibras vegetais. Fazem uma só postura ao ano e a fêmea costuma ser a encarregada da incubação. Fora da época de reprodução é uma ave pouco gregária e só forma pequenos grupos durante a migração. 

Sabiá de Peito Vermelho

Descrição

Habita bosques, jardins e zonas urbanas do paleártico. Raramente é encontrado no verão, pois se esconde em bosques baixos e sombrios, enquanto que, com a chegada do mau tempo, aparece em povoados e cidades para procurar alimentos.

Biologia

Alimenta-se de insetos, pois no inverno tem grandes dificuldade de encontrar suas presas. Além de insetos e larvas de insetos, consome minhocas da terra. É muito extrovertido no outono e inverno, quando deixa que o homem se aproxime. Muito ligado ao território, não perde a oportunidade de brigar com qualquer intruso que entre em seu território. 

 A mancha vermelha no peito do macho tem sua tonalidade intensificada com a chegada da época da reprodução. Vive em casais e constrói o ninho no chão, entre raízes, em irregularidades do terreno ou, às vezes, em florestas de difícil acesso. Põe de 5 a 7 ovos, que choca durante 14 dias. Os filhotes abandonam o ninho com 16 dias de idade.

Sabiá de Peito Branco

Descrição

É uma das poucas aves capazes de viver em ambientes estritamente desérticos. Habita em áreas rochosas e desérticas com muito pouca vegetação, e nas zonas montanhosas chega até os 2.700m de altitude. Tem aproximadamente 17cm de comprimento total, de coloração geral preta, exceto pelo capuz, o uropígio e as plumas externas da cauda, de cor branca. Encontra-se distribuído por todo o norte da África e Oriente Médio. 

Biologia

Alimenta-se de insetos e às vezes de bagas. Ainda que não dependa da água para nada, não a despreza quando tem oportunidade. É muito dado e curioso, constantemente encontrado em povoados e outras zonas humanizadas. Trata-se de uma ave muito territorial, até o ponto de afastar de seu território não somente os indivíduos de sua própria espécie, mas também os de outras espécies semelhantes. Também é capaz de atacar possíveis predadores que se aproximem do ninho, como, por exemplo, serpentes, gatos e até pessoas. Alguns povos beduínos protegem essa espécie por a considerarem sagrada.

Sabiá do Campo de Galápagos

Descrição

Formam uma das poucas famílias de passeriformes que se encontram nas ilhas Galápagos. Acreditava-se no começo que existia somente uma espécie, mas com o passar do tempo determinou-se que são 4 espécies que formam o grupo. É uma ave parda, pouco vistosa, de aproximadamente 25cm de comprimento total. A cauda é relativamente longa, e o bico é comprido e curvado para baixo.

Biologia

Trata-se de uma ave que habita pouco nas ilhas. Costuma encontrar-se em zonas áridas, ainda que não desperdice qualquer oportunidade de beber água. Geralmente movimenta-se pelo solo, com as asas atuando como balança: as patas são bem desenvolvidas, adaptadas para correr. É uma ave muito curiosa, aproximando-se de qualquer objeto que seja pouco familiar, e com o homem mostra-se extremamente à vontade. Sua dieta é variada e inclui insetos, restos de animais mortos, ovos de aves marinhas e inclusive o óleo que segregam os filhotes de albatroz quando se sentem ameaçados. Reúnem-se em pequenos grupos, mantendo um território comum que defendem cruelmente de outros intrusos. O ninho, construído com fragmentos vegetais diversos, fica situado sobre um cactos. 

Sabiá Laranjeira

Descrição

É um passeriforme de médio porte (cerca de 23cm de comprimento total). Apresenta as partes superiores pardas, a garganta branca estriada de negro e as partes inferiores arroxeadas. Ambos os sexos são semelhantes, embora a fêmea seja um pouco mais apagada que o macho; o bico é amarelo no macho e escuro na fêmea. 

Biologia

A família dos turdídeos originou-se no hemisfério boreal, mas algumas espécies têm ocupado também o hemisfério sul. No caso do Sabiá Laranjeira, sua área de distribuição abrange o Brasil, Uruguai, Paraguai e parte da Argentina. Habita em bosques e zonas com matagais, normalmente nas proximidades de água. Igualmente aos seus parentes europeus, também soube adaptar-se bem à presença do homem e é comum em parques e jardins de povoados e cidades. 

 É uma ave territorial e o macho pode ser observado cantando já nas primeiras horas do amanhecer com a finalidade de demarcar o seu território e afastar assim outros machos. O canto consiste de um “coró...chiré” repetido e melódico. Tem hábitos terrestres e às vezes pode ser observada dando saltos no solo em busca de algo que possa levar à boca. A sua dieta é variada, incluindo insetos, caracóis, minhocas e frutos.