Gêmeos em Aves

Referências


Nascimentos múltiplos são comuns em muitas espécies, principalmente nos mamíferos. Cães e gatos, como um ciclo reprodutivo natural, têm muitos filhotes por ninhada, com gêmeos e trigêmeos sendo relativamente comuns em grandes animais, incluindo os humanos. Entretanto, múltiplos em aves, nascendo de um só ovo, é raríssimo.

Gêmeos em aves podem ocorrer em um desses dois casos. O primeiro se dá seguido à divisão celular inicial subsequente à fertilização. Esta divisão celular é conhecida como clivagem; depois que a primeira célula se divide, em vez das duas células resultantes dessa divisão se ligarem uma à outra e darem continuidade à multiplicação, elas se separam. Neste estado, separadas, elas se dividem independentemente uma da outra e se desenvolvem normalmente como indivíduos. No nascimento, são gêmeos - na verdade, gêmeos idênticos. Embora o que acaba de ser descrito possa ocorrer nas aves, o outro caso é mais comum.

Todos os óvulos que a fêmea produz durante toda a sua vida estão nos seus ovários desde o início da vida da fêmea. Quando ela amadurece e se inicia o ciclo de criação, mudanças ocasionadas pelo estímulo necessário à isso resultam na produção de hormônios: um óvulo amadurece, segue-se a cópula e este será fertilizado pelo esperma do macho. No estágio correto do desenvolvimento, o óvulo é libertado do ovário, onde cai dentro do oviduto. Uma vez no oviduto, ele começa sua jornada coletando várias partes dos componentes necessários para se transformar em um ovo, o qual é armazenado pela fêmea. Na maioria dos casos, é isso que ocorre normalmente.

Entretanto, de tempos em tempos, a passagem do ovo ainda não formado pelo oviduto pode atrasar. Enquanto ele está lá, um segundo ovo amadurece e é liberado do ovário para o oviduto, onde ele alcança o primeiro ovo. O resultado é que os dois ovos entram na casca juntos, ou seja, serão encapsulados na mesma casca. Seria o que conhecemos como um ovo de duas gemas.

Geralmente, um dos dois filhotes em desenvolvimento morrerá. Com uma gema estragando, não há chances do outro filhote crescer, e ele morrerá também. Embora ouve sucesso em nascimentos de periquitos gêmeos, ou seja, não é incomum que os filhotes consigam chegar no estágio de quebrar a casca do ovo, eles geralmente morrem na tentativa, devido à falta de espaço para sair da casca com sucesso.

Referências

Revista Bird Breeder