Tiriva

Origem  Comportamento  Características  Cuidados  Reprodução  Referências


Origem

A Tiriva é encontrada no sudeste do Brasil e nas áreas vizinhas ao Paraguai e Argentina. É uma ave bastante comum nestas áreas.

Seu hábitat preferia são as florestas perenes e também próximas a florestas de Araucárias.

Comportamento

As Tirivas são excelentes animais de estimação para qualquer um que esteja interessado em uma ave amável e inteligente. Muitas pessoas têm a impressão que elas são "frias", e que elas não podem ser educadas e nem treinadas quando jovens. Elas amam roer coisas, e parecem especialmente atraídos a morder a pele dos próprios donos. Quando jovens, elas não sabem a força que possuem no bico, mas podem ser educadas a não bicar, ou a tornar a bicada indolor ou ao menos em níveis menos dolorosos. Esse treinamento é muito importante quando elas alcançam a maturidade sexual.

As Tiriva formam estreitos laços com sua família humana mas diferentemente de algumas espécies de psitacídeos, não são aves de um dono só. Enquanto alguns psitacídeos  geralmente escolhem um membro da família como companheiro preferido quando atingem a maturidade, as Tirivas facilmente formam laços fortes com todos os membros do seu "bando" humano, e normalmente só mostram características de comportamento agressivo / possessivo durante a época do acasalamento. Essas tendências agressivas também podem ser diminuídas com educação e treinamento. 


Aves jovens devem ter contato com pessoas que não sejam da família para assegurar que sejam bem socializadas e que aceitem a presença de "estranhos". Uma ave não acostumada a estranho pode começar a atacar as visitas quando atingem a maturidade sexual na tentativa de "afugentar os competidores".

Adoram carinho, muitas são mais felizes quando estão com os donos ou quando são acariciadas por eles. Elas querem atenção dos seus amigos humanos e ficam muito felizes na sua companhia. Até mesmo os mais "mau humorados" gostam de contato humano. 

Elas precisam de muita interação com os donos e podem se tornar agressivas se não tiverem isto. Como todos os psitacídeos, as Tirivas não são aves de gaiola, e nunca devem ser privadas de contato humano, a menos que estejam na época de procriação. Elas são tagarelas e sociáveis na natureza e precisam de companhia do seu "bando", seja ave ou humano, para manter a sua saúde física e mental. 

Características

Existem várias espécies de Tirivas, ao todo são 16, sendo o terceiro gênero dos psitacídeos em número de espécies. Embora elas tenham mais ou menos a mesma coloração, é bem fácil reconhecer as espécies. A mais comum criada e mantida como animal de estimação nos EUA é a Tiriva de ventre castanho e a Tiriva de bochecha verde, que geralmente são confundidas entre si. Sua aparência é semelhante: entretanto, a de bochecha verde tem uma cor castanho-escuro no topo da cabeça, enquanto a cabeça da Tiriva de ventre castanho é verde, que continua nas suas costas e nuca. 

Conhecidas pelas suas artes, as Tirivas são mais silenciosas que suas primas Aratingas, e, embora não sejam tão coloridas como elas, suas sutis cores azuis, verde ou castanha fazem delas animais de estimação desejáveis. Quando alimentadas na mão, elas ficam ansiosas com a chegada dos donos; o seu temperamento brincalhão, seu gosto por brinquedos, anéis e balanços atraem donos em potencial.

As características de identificação mais notáveis são o ventre avermelhado, o pescoço e peito verde-amarelado, um anel branco ao redor dos olhos, azul nas penas primárias e marrom-avermelhado na parte interna da cauda. Essas são as características da Tiriva comum.

Cuidados

Devem ser alimentadas com uma dieta variada, com vegetais frescos, frutas, grãos inteiros, arroz, batata assada ou cozida e batata-doce, algumas nozes, frango cozido e ovos mexidos e cozidos, assim como uma boa ração própria para a espécie e mistura de sementes. A maioria das aves que comem essa comida desde jovens gostam da variedade e comem com prazer. Uma ave que não tenha o costume de se alimentar desse tipo de comida pode levar mais tempo para se acostumar com ela, mas devem ser encorajados a comer dela, pois manterão a saúde da ave em ótimas condições. Produtos como iogurte e queijos também podem ser oferecidos às aves, em quantidade limitada.

*Abacate, álcool e chocolate devem ser evitados a todo custo, pois são tóxicos para as aves; também evite cafeína, açúcar refinado, sal e cebola. Alimentos ricos em gordura ou com ferro devem ser dados numa quantidade mínima. Algumas aves tem problemas com produtos como iogurte e queijo e devem ser monitoradas quando esses lhes são oferecidos, se a ave mostrar sinais de problemas gástricos (vômito, diarréia, letargia) então as quantidade de derivados do leite devem ser oferecidos nesta ocasião.*

A maioria gosta de brincar e devem ser oferecidos brinquedos seguros para estimulá-las. Elas gostam de madeira, couro e brinquedos mastigáveis. Algumas até são ensinadas a buscar objetos, empilhar xícaras e outras coisas. 


A maioria gosta de sinos também, anéis e contas de plástico (grandes o bastante para que não sejam engolidas). Alguns itens do cotidiano também podem se transformar em brinquedos, só se certifique que eles não tenham qualquer tipo de pintura, cola ou outras substâncias químicas prejudiciais. Os brinquedos devem ser redondos e presos em uma base regular para manter a ave interessa e estimulada.

Também gostam de um bom banho, e deve ser dada a oportunidade delas se banharem, pelo menos uma vez por dia. Algumas aprender a gostar quando seus donos borrifam água nelas (seu banho de chuveiro) enquanto outras preferem tomar banho em uma banheira na gaiola.

É importante ter certeza que elas tenham água limpa à disposição para beber, e como elas podem sujar a água enquanto se banham ou fuçam na comida, a água deve ser trocada sempre quando preciso. Muitas aves também gostam de ser secadas com um secador de cabelos, com baixo calor. Os donos devem manter suas aves longe de correntes de ar, até que elas estejam totalmente secas.

Reprodução

Diferentes criadores usam uma grande variedade no tamanho dos ninhos, que vão desde os ninhos para Agapórnis até os usados na criação de Calopsitas. É bom lembrar que, embora as Tirivas sejam relativamente pequenas, de 23 a 25cm, elas geralmente têm ninhadas grandes - cinco, seis e até sete filhotes. Se os filhotes permanecerem no ninho por mais de sete dias, dê-lhes um ninho maior. Uma caixa de sapato pequena também funciona bem; embora estreita, há muito espaço no interior para os bebês crescerem bem.

Coloque forração no fundo do ninho. Muitas fêmeas jogarão fora essa forração, mas isto faz parte do processo de construção do ninho e ajuda a assegurar um ciclo saudável e normal. Outras podem deixar uma camada funda de forração e criar uma espécie de buraco para colocar os ovos.

As Tirivas gostam de dormir nos ninhos, por isso deixe-os à sua disposição o ano todo, tirando-os apenas para limpá-los. Pássaros que não tenham ninhos, dormirão no papel usado para revestir o fundo da gaiola, se eles tiverem acesso à ele.

A média de ovos por postura é de 4 a 5 ovos brancos. A fêmea os choca com o macho ao seu lado por 24 dias. Os filhotes são cobertos por uma fina plumagem branca. Seus olhos abrem depois de 6 ou 7 dias, e suas penas se desenvolvem com duas semanas de idade. Os filhotes emplumam na oitava semana de vida.

Se os filhotes forem ser alimentados na mão, o melhor a fazer é separá-los dos pais com 7 a 10 dias de vida, se você tiver o equipamento necessário para manter sua temperatura regulada. Nesta idade, eles aceitarão muito bem os pais humanos. Para ajudar a criar um bom animal de estimação, só mantenha junto um par de pássaros quando eles já tiverem desenvolvido suas penas, e passe muito tempo brincando com eles, não apenas na hora de alimentá-los, mas também entre as refeições. Quando mantidos em grandes bandos, os filhotes tendem a brigar por comida e terminam bicando a mão do dono, tornando a alimentação uma tarefa desagradável.

Filhotes que são alimentados na mão são muito procurados pelas pessoas que adoram aves porque eles estão sempre disponíveis, são fáceis de cuidar, não são barulhentos e são excelentes companheiros.

Os filhotes criados pelos pais se tornam bons padreadores no futuro, especialmente se o dono é meio ruidoso, manipular os filhotes um pouco e ficar sempre por perto quando eles estiverem emplumados. As aves não são estampadas nos seres humanos, mas elas aprendem a compartilhar o ambiente onde vivem com eles e, então, não se tornam aves distraídas e podem se tornar padreadores de confiança.

Referências

Reddish Bellied Parakeet
Pyrrhura Conures as Pets
Revista Bird Breeder